ENTREGAMOS PARA TODO O BRASIL PARCELE EM ATÉ 12X ACIMA DE R$120 ☞ FRETE GRÁTIS FRETE PARA ESTADO DE SP SÓ R$8,00

Marina Nacamuli

Marina Nacamuli (site, tumblr, instagram) fez Cinema, estudou gerenciamento de galerias e museus, é canceriana e sempre esteve envolvida com videos e fotos desde pequena.

Morou 7 anos em NY, e em 2013, quando voltou ao Brasil, viu que a bagagem fotografica acumulada ao longo dos anos era um indicador de que aquilo tudo poderia se transformar em um bom trabalho autoral, foi então que largou tudo pra seguir o sonho de viver da fotografia.

Como parte da plataforma da Surreal São Paulo, convidamos a Marina para fazer algumas fotos, e fizemos algumas perguntas sobre o trabalho e a vida dela:

Alguma sugestão de som que você gosta pra galera ouvir enquanto lê ?

Frank Ocean - Seigfried

Qual foi sua primeira câmera e como a fotografia chegou até você?

Foi a "Concord - Le Clic", uma câmerazinha roxa e rosa que fotografava em 110mm, mas sinceramente não me lembro como a fotografia chegou até mim, essa câmerazinha eu devia ter uns 9/10 anos.

Seu trabalho pessoal é como um eterno rolê de sexta a noite, hahah , o que mais influenciou ou influencia sua maneira de fotografar?

hmmm. O comportamento humano e as ruas. Sempre brinco que sou "assistidora de pessoas"

Qual foi o processo para as fotos dessa entrevista?

Eu sabia que queria uma amiga com as pernas tatuadas, e assim, chamei a Van. Eu também já queria fazer algo embaixo do prédio onde moro... Assim, as coisas foram surgindo, tudo bem natural e intuitivamente, e a modelo também faz toda diferença.

Como é um dia normal seu?

Acordo super cedo, durante a manhã cuido de casa. Durante a tarde, quando não tenho ensaio, venho pro meu atelier trabalhar em fotos e projetos.

A sua série “Roose” é uma exploração sobre a vida e os frequentadores da famosa praça no centro de São Paulo. Alguma história específica que você gostaria de compartilhar?

Muita coisa e muitas histórias aconteceram durante "Roose". O primeiro retrato, foi o do "Felipe", foi quando decidi que eu ía retratar os frequentadores. Ele andava com o telefone fixo dele de casa, e usava como celular, pois funcionava até 2km de distância da base. Também tem o outro "Felipe", mais conhecido como "Alemão". Ele era morador de rua, estava sempre bebendo com a gente na praça, no passado andava de skate e desenhava muito bem. Hoje ele está fora das ruas, tem um emprego de fim de semana e também virou tatuador. Maior orgulho.

Além de publicações, você já fez algumas exibições e um livro. Conte um pouco dos projetos que você está envolvida hoje?

Estou fazendo um projeto sobre imigrantes, e vou passar um mês na frança pra fazer meu segundo livro, o resto é supresa :D

Algum filme para recomendar?

O filme que mais me marcou recentemente foi o "Poesia sem fim" do Jodorowsky. Recomendo muito, mas tem que ter um pouco de paciência.

Cite alguns artistas que você admira:

- Nan Goldin

- Ari Marcopoulos

- Sandy Kim

- Sophie Calle

- Jerry Hsu

Modelo: